Editorial

E Renan Calheiros não caiu… Nem mesmo os protestos que marcaram o último final de semana de fevereiro em diversas cidades brasileiras (inclusive Pilar do Sul) e a petição de 1,6 milhão de assinaturas protocolada no Senado pedindo a saída do presidente da Casa, foram suficientes para sensibilizar o Congresso a tomar alguma atitude contra Renan Calheiros (PMDB/AL).

O PMDB tem 20 senadores, enquanto o PT e o PSDB têm 12 cada um. Isso deixa claro que somente os votos de Renan, Sarney e outros aliados podem barrar a oposição. E a opinião pública, os protestos, a voz do povo, que se lixe!

Ainda que os protestos fossem maiores, com certeza o Senado resistiria, não romperia a blindagem dada a Renan pelo seu partido, pelo Senado, pelo PT e pelo governo Dilma Rousseff.

Porque é essa aliança com o PMDB, que detém o maior número de votos da casa, que sustenta o PT no poder. Por isso, ainda que denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) por peculato , falsidade ideológica e uso de documentos falsos, nada fará o Senado deixar o corporativismo e instaurar novo processo por quebra de decoro contra Renan. Porque enquanto o PMDB compor a base aliada do governo no Senado, a presidente e seu partido não medirão esforços para manter o apoio a Renan. Porque o projeto de poder depende do apoio do PMDB, do tempo do PMDB no horário eleitoral.