Uma cigana sepultada em Pilar do Sul

Por: Geni Alves dos Santos

“Onde hoje é o ginásio de esportes Pedro Batista, nos primórdios de Pilar do Sul, uma turma de ciganos acampou”. Assim as irmãs Rita Maria e Alice Antunes de Proença iniciaram seu depoimento sobre um fato que povoa o imaginário dos pilarenses.

Segundo as irmãs Proença, uma cigana desse acampamento deu à luz e morreu no parto.

“As pessoas que morriam no pequeno vilarejo de Pilar eram enterradas em Sarapuí”, relatam. “Quando a cigana morreu, o Tenente Almeida, dono dessas terras, mandou que ela fosse enterrada no terreno onde hoje é o Cemitério São João Batista. Pelos relatos de nossos antepassados, a cigana foi a primeira pessoa sepultada em Pilar do Sul.”

Ainda segunda Alice e Maria Rita, há uma menção do nome da cigana – Regina de Jerusalém ou Regina de Arimateia – em um antigo livro de registro da Igreja Católica.

Folclore ou lenda, o túmulo da Cigana fica próximo à entrada do Cemitério São João Batista. Devotos visitam o túmulo, levam oferendas, fazem pedidos, agradecem as graças recebidas.