Editorial

O Dia Mundial da Água, criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992, destina-se à discussão e reflexão sobre os diversos temas relacionados a este importante (senão o mais importante) bem natural. Sabemos que dois terços do planeta Terra é formado pelo líquido tão precioso, mas sabemos também que somente cerca de 0,008% do total da água do nosso planeta é potável, isto é, própria para o consumo.

Grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) está sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. E esta situação tão preocupante indica que poderá faltar, num futuro não distante, água para o consumo de grande parte da população mundial.

Pilar do Sul tem o codinome “Nascentes das Águas”. E o que estamos fazendo para fazer jus a ele? Rios, ribeirões, riachos, córregos, nascentes existentes no município estão degradados e poluídos. O Ribeirão de Pilar, que abastece a cidade, segundo especialistas, vem sofrendo constantemente a ação predatória do homem, sem que os órgãos competentes (prefeitura, câmara, secretaria de meio ambiente, dentre outros) e a própria SABESP realizem ações para evitar e preservar o mesmo.

E a população, o que faz? Espera por uma catástrofe anunciada, o Ribeirão definhar e morrer, como tantos outros e a água, imprescindível à vida humana, acabar de vez.

Que neste dia 22 de março não haja somente comemorações, mas ações decisivas para a preservação do bem natural mais precioso do Planeta. Que Poder Executivo, Legislativo, Judiciário, instituições religiosas, educacionais, entidades diversas e população em geral se unam para uma causa comum: salvar o que ainda resta de nascentes, córregos, riachos, ribeirões e rios no município.